Apesar dos fortes impactos da pandemia da Covid-19 sobre a economia brasileira, o número de microempreendedores individuais (MEI) continuou a crescer e tem batido recordes de formalizações ano a ano. Somente em 2020 e 2021, foram criados 5,7 milhões de MEI, sendo que a atividade que mais apresentou adesões foi a de comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios, com cerca de 380 mil formalizações.

As informações constam em levantamento feito pelo Sebrae, com base em dados da Receita Federal entre os anos de 2018 e 2021. “Devido às suas características, essa atividade sempre se manteve entre as com maior número de formalizações, mas desde o início da pandemia ela passou a ocupar o primeiro lugar, superando o segmento de cabelereiros, manicures e pedicures, que esteve na primeira colocação no ranking durante os anos de 2018 e 2019”, observa o presidente do Sebrae, Carlos Melles. A segunda atividade mais procurada pelos microempreendedores individuais durante a pandemia foi a de promoção de vendas, com 314,5 mil novos negócios.

Para Melles, as restrições impostas pelas medidas de prevenção à pandemia e os impactos sofridos pelo setor de beleza nesses dois anos, fizeram com que as formalizações desses profissionais, apesar de continuarem apresentando um número expressivo, caísse para terceiro lugar do ranking, com aproximadamente 264 mil inscrições. “As empresas do segmento de beleza estão entre as que mais apresentaram queda de faturamento, chegando a registrar perdas de até -76%. Além disso, cerca de 12% dessas empresas ainda se encontram com o funcionamento interrompido, de acordo com a última pesquisa de impacto realizada pelo Sebrae”, comenta o presidente do Sebrae.

Novas atividades
A pandemia também fez com que surgissem novas atividades no ranking das top 10. Entre elas as de transporte rodoviário de carga, que apareceu nos rankings de 2020 e 2021, com um total de 140 mil formalizações. Outra novidade foi que, em 2021, pela primeira vez, o comércio varejista de bebidas teve um crescimento significativo, com 73,5 mil formalizações.

Em relação ao comércio de bebidas, uma outra pesquisa do Sebrae, realizada com base em dados da Receita Federal, detectou que no primeiro semestre de 2021, entre os MEI, o comércio varejista de bebidas foi o que apresentou o maior incremento: um aumento de mais de 84% se comparado com o mesmo período de 2020. Enquanto no primeiro semestre de 2020, quase 21 mil MEI se formalizaram nesse segmento, no mesmo período do ano passado foram mais de 38 mil microempreendedores individuais formalizados.